quinta-feira, 10 de junho de 2010

Cartas na Mesa

Jornalista de carteirinha amarelada, sempre me chamou a atenção o pouco espaço dedicado pelos jornais às colunas de leitores e, em alguns casos, da edição mal-feita que distorce o entendimento da correspondência. Claro, o espaço – o tamanho do texto – deve ser limitado para que o maior número de pessoas possa ser atendido.

Aqui em São Paulo a nova e arejada direção do Diário de S. Paulo entendeu o recado e abriu quase toda a página 2 para seus leitores. Louvável. Nesse quesito, porém, os jornais da nossa valorosa imprensa regional dão de goleada. Falo de cadeira porque também sou clipador de jornais e leio diariamente pelo menos 30 dos principais do interior de São Paulo. Essa rotina do meu lado profissional sugere e vou iniciar, a partir de agora, a publicação de cartas de diferentes jornais de várias regiões do estado.

Penso que será ótimo exercício para conferir o que há de convergência entre regionalização e globalização, tema do jornalista Wilson Marini na sua última coluna Contexto Paulista, que ele escreve duas vezes por semana para 14 jornais regionais da APJ. Um trechinho do que nos interessa:
O futurólogo John Naisbitt, em seu clássico Megatrends, lançado no enigmático ano de 1984, antecipou uma mudança de comportamento nas cidades de todo o mundo que seria notada mais claramente no Interior de São Paulo nos últimos 10 anos com os efeitos da globalização.
Dizia Naisbitt que as pessoas passariam a viver uma espécie de "estado geográfico mental". Era a antevisão das chamadas comunidades virtuais, agora cada vez mais partilhadas. Quando Naisbitt fez essa previsão, ainda faltavam dez anos pelo menos para o início da era da Internet e da telefonia celular -- dois dos paradigmas que marcam fortemente o modelo atual de informações e interatividade (Para quem quiser ler a íntegra: http://www.apj.inf.br/detalhe_post_destaque.php?codigo=122).


ÀS CARTAS


JORNAL DE JUNDIAI (Opinião, 09/06/10)

DETALHE FAZ A DIFERENÇA
No jornal de domingo, 6, mais especificamente na coluna Letras, de autoria do editor-chefe, Sidney Mazzoni, estava escrito, no item "Três Toques", que um jovem drogado deu entrada em um hospital da região após tentar suicídio. No texto o editor-chefe escreveu que "a corda quebrou e ele só machucou o pescoço. Foi medicado e liberado. Horas depois, tentou de novo. A corda não quebrou." Como assim, a corda "quebrou"? Que eu saiba, corda não quebra, e sim, arrebenta. Me espantei ao ler o texto, uma vez que a única corda que se quebra, que eu saiba, é a de violão, e no texto não estava especificado que tipo de corda era. E imagino que o rapaz não tenha tentado se matar com uma corda de violão.Alex FerreiraNR: Caríssimo: comovente seu apreço pelo detalhe sobre a ´quebra´ da corda, que retardou o suicídio do jovem drogado. Realmente é de causar ´espanto´. Afinal, é extremamente relevante saber se a corda quebrou ou arrebentou. Isso muda tudo. As razões que levaram o jovem ao suicídio - ou se ele deveria ou não ter ficado no hospital ao invés de liberado, creio, pouco ou nada importam a você. É apenas um ´detalhe´. Importante é saber se a corda quebrou ou arrebentou, não é mesmo senhor Alex Ferreira?Sidney Mazzoni (Editor-Chefe do JJ Regional e autor de Letras)


TRIBUNA IMPRESSA/ARARAQUARA (02 de junho de 2010 às 22h57)
Jose Roberto do Carmo Bosso disse:
Gostaria de agradecer ao Conselho sobre drogas e a Prefeitura de Araraquara pelo empenho em trazer para cidade a peça teatral "AINDA". Pena que foi única apresentação, mas valeu, serviu para refletirmos de como estamos agindo em relação aos nossos filhos. Peço Se possível que repitam a dose e a divulgação seja maior. Muito Obrigado pela oportunidade.

FOLHA DA REGIÃO/ARAÇATUBA (DOS LEITORES – 10/06)

Vergonha!

Senhores vereadores o que está acontecendo? Tirem o rabo da cadeira e tomem providências, dê respeito os munícipes e ao funcionalismo público e respeitem a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo, pois estamos indignados, e é como a deputada estadual Cidinha Campos (RJ) citou: a
corrupção deste País está no DNA dos políticos e não esqueçam, senhores
vereadores e em especial ao senhor prefeito, que faltam menos de três anos para a farra acabar, e depois não venha dizer para campanhas políticas em moral. Porque para ocupar um cargo público tem que ter notório saber e reputação ilibada, os senhores sabem o que é isso. João Marcello Rodrigues, funcionário público, Araçatuba.


A TRIBUNA/SANTOS (Do Leitor, 10/06/10)

Estação Santos

Fiquei muito emocionada ao ser recebida por Tarsila do Amaral, Oswald de Andrade, entre outros mitos da nossa história, na inauguração da Estação Santos, no Centro Histórico de Santos. Confesso que, ao ser convidada por uma amiga, achava que ia conhecer mais uma casa de eventos, mas percebi que o investimento resgata nossa história. Agradeço e parabenizo aos idealizadores da Estação Santos pela noite memorável. MARIA ALICE COIMBRA - SANTOS


DIÁRIO DO GRANDE ABC (TRIBUNA DO LEITOR, 09/06/10)

Israel

O Mundo inteirinho grita contra atitudes ditas ‘violentas’ de Israel a embarcações semana passada. Mas fica a pergunta: como você se defenderia com vizinho que vive te atormentando, ameaçando, se armando de mísseis para atingir sua casa e prometendo te varrer do mapa? Beatriz Campos – Capital



CORREIO POPULAR/CAMPINAS (CORREIO DO LEITOR, 10/06/10)

Mancha de óleo

Habib Saguiah Neto
Aposentado, Marataízes (ES)
As imagens dos pelicanos encharcados de petróleo nas praias do Golfo do México são de entristecer, sobretudo na semana em que se comemora o Dia do Meio Ambiente, cada vez mais desdenhado ou ignorado. Estranho como um país do quilate tecnológico como os Estados Unidos ainda não descobriu uma fórmula para conter esse vazamento! Talvez se surgisse apenas um boato de que naquela tubulação estivesse saindo bombas do talibã, o vazamento já estaria contido.


COMÉRCIO DA FRANCA (OPINIÃO, 10/06/10)

Educação

É louvável o esforço e o incentivo que a prefeitura de Ibiraci tem feito para que seus estudantes tenham acesso ao ensino superior. Trata-se de meta do governo federal que, ao que podemos ver, surte efeito nos mais variados cantos do País. Este benefício é muito importante para quem o recebe e possibilita a elas poderem sonhar e buscarem um futuro melhor. Já foi provado que a educação é o caminho para mudar uma nação. Espero que estes incentivos continuem.João RobertoIbiraci – MG

O VALE/S. JOSÉ DOS CAMPOS (CARTA DO LEITOR, 09/06/10)

Lombadas

No Vale do Paraíba, em diversas cidades como Taubaté e Pinda, existem inúmeras lombadas para que se diminua a velocidade. Só que a maioria dessas lombadas, além de não terem um padrão, no caso serem da mesma
altura, não são totalmente visíveis, principalmente à noite. Tem que se ter solução para que elas sejam pintadas ou que se coloque algo definitivo para
que se tenha visão delas. Não sou contra as lombadas, porque realmente elas evitam alta velocidade, mas tem que sempre estarem bem visualizadas.
Acontecem acidentes devido a essas lombadas não serem sinalizadas
corretamente. As prefeituras é que deveriam ser multadas por essas lombadas incorretas e não só multar os carros. Deve ser feita uma sinalização definitiva e não só pintarem elas de amarelo na é poça de eleições. MANOEL LUIZ DA SILVA TAUBATÉ

Nenhum comentário:

Postar um comentário